Política Econômica, Inflação e Intervenção Estatal

Nos últimos 40 anos o Brasil sempre teve a inflação como um entrave forte ao seu desenvolvimento. A iniciativa exitosa do Plano Real no governo do ex-presidente Itamar Franco, cujo mérito não se limitou ao campo da economia, foi um marco memorável.

O ex-presidente Itamar Franco abriu o caminho para a estabilidade macroeconômica e para o controle da inflação no país. Além da coragem ímpar de no campo político, por razões de ordem ética, ter rompido, logo no início do governo com o ex-presidente Fernando Collor de Mello do qual era vice-presidente e fez de seu “exílio” Juiz de Fora, sua cidade natal no Estado de Minas Gerais. Cito apenas estes dois episódios históricos nos campos econômico e político para marcar bem a diferença entre tempos e governos, que são objeto deste comentário.

A herança positiva iniciada no governo Itamar Franco foi a consolidação de um sistema financeiro brasileiro técnico e dentro de uma relação bem medida entre as instituições financeiras privadas e governamentais com o bem aplicado posicionamento do Banco Central do Brasil.

Contudo, nestes praticamente 12 anos de governo do Partido dos Trabalhadores - PT, que foi adversário impiedoso na implementação do Plano Real, não houve uma política econômica consistente que aproveitasse as diversas oportunidades anteriores à crise de 2008. Ao contrário, o governo do PT tornou o Estado brasileiro hipertrofiado, pesado, demasiadamente custoso e, desta forma, incapaz de praticar uma política de redução de juros básicos da economia e promover o desenvolvimento sustentável.

Represou de forma irresponsável preços controlados pelo governo. O caso da Petrobras foi emblemático, causando sérios prejuízos à empresa, que perdeu sua alta capacidade de investimento, de indução de crescimento econômico no mercado interno, prejuízo a investidores e abalo de credibilidade no mercado internacional.

Sem citar outras questões mas, resumidamente, o grande promotor de risco inflacionário e por consequência um forte entrave para redução dos juros na economia brasileira é o próprio Estado, que mantém firme uma política de ampliação de uma máquina pública altamente onerosa, ineficaz e reconhecidamente corrupta.

A elevada carga tributária, perto de 40% do Produto Interno Bruto - PIB e a falta de um projeto de desenvolvimento para o país projetam um quadro de incertezas para 2014 e 2015 que, somadas à vontade crônica de exclusivo controle político da nação brasileira pelo PT, pode acentuar drasticamente a crise já existente do controle da inflação e da dívida pública.

Portanto, o país de oportunidades que em tese foi apresentado no discurso da presidente Dilma em Davos, na Suíça, é muito mais uma expressão da vontade pessoal dela do que da realidade econômica do Brasil infelizmente. O sinal eloquente disto são as atas Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil e a recente cogitação de rebaixamento do grau de investimento do país por agências de risco internacionais.

Neste ambiente, a taxa de juros no Brasil continuará a ser a maior do mundo e crescente, prejudicando a atividade produtiva e o consumo das famílias.

Texto do Programa Opinião Católica do dia 28 de janeiro de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preces da Comunidade

Crítica ao Trabalho das Organizações Não Governamentais - ONGs

Governos: Falta de Planejamento e Visão