A Nova Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal

Passada a polêmica, pelo menos na mídia, sobre a nova presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal exercida atualmente pelo Pastor Deputado Federal Marcos Feliciano gostaria de examinar este tema.

Não se pode negar que o entendimento primário e o papel fundamental de uma Comissão temática desta natureza deveria ser o de defender o que há de mais caro para a humanidade, a própria vida.

Contudo, infelizmente, ao longo de anos a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal primou por não reconhecer a vida humana especialmente à do nascituro como absoluta. Como um direito inalienável.

A falha grave desta Comissão foi a de permitir que ideologias de gênero também se expressassem com vigor de verdade e, desta forma, foram viciando e desviando o sentido real dos direitos humanos.

A Comissão de Direitos Humanos virou palco fértil para a consagração do direito ao aborto e a inclusão no campo da naturalidade as relações homoafetivas.

Enfim, a Comissão de Direitos Humanos em tempos anteriores tornou-se mesma medida de suas defesas antinaturais, uma forma travestida de Comissão de Direitos Humanos.

Em que pese a prática nada elogiosa como pastor, do deputado federal Marcos Feliciano, não posso deixar de concordar que ao frear o ímpeto abortista e a ideologia de gênero, já foi feito um grande avanço na direção de se recuperar o espírito real do que se pode chamar de Comissão de Direitos Humanos.

Lembro, também, que, membros efetivos ou suplentes, da Comissão de Direitos Humanos, incluindo católicos, ouviram em diversos momentos o deputado federal Jean Willys do PSOL do Rio de Janeiro, chamar o então Papa Bento XVI de genocida em potencial e criticar de forma desrespeitosa a Igreja Católica por suas posições contra a união homossexual. Naqueles momentos não houve sequer uma resposta adequada de nenhum deputado católico ao infamante.

Agora, o que precisa ser dito é que com o pastor deputado, em que pese todas as ressalvas, assinalo, fecharam-se as portas da Comissão de Direitos Humanos para a legitimação do aborto como um direito humano, para desconstrução da família natural e para a ideologia de gênero. É só por isso que reclamam.

Texto do Programa Opinião Católica do dia 11 de junho de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preces da Comunidade

Crítica ao Trabalho das Organizações Não Governamentais - ONGs

Governos: Falta de Planejamento e Visão