O Jornal O Globo contra o Ensino Religioso

A posição do jornal O Globo contra a presença do Ensino Religioso na matriz curricular nas escolas públicas é mais do que conhecida. É uma militância contrária permanente ao ponto de deixar a imparcialidade esperada do bom jornalismo para adotar uma postura panfletária nas chamadas reportagens.

No O Globo do dia 24 de março deste ano, não foi diferente. O jornal gastou duas de suas principais páginas para tratar de maneira inadequada e preconceituosa o ensino de religião nas escolas. Tanto o jornal quanto os que se dedicam ao ensino sabem que o que está descrito na matéria não tem qualquer vínculo com o Ensino Religioso.

A matéria do Ensino Religioso faz parte da formação integral da pessoa, contribui para o êxito do projeto educacional, da consolidação pedagógica e, consequentemente, sua aula é planejada como qualquer outra matéria do campo de conhecimento onde o próprio ensino religioso se insere. Negar isto é má-fé!

A reportagem mostra exatamente o que não é o ensino religioso. A reportagem, repito, mostra a separação forçada entre o ambiente educacional de um lado e de outro, as famílias e a dimensão sobrenatural da vida.

A confusão exibida pelo jornal na suposta reportagem só revela a carga de preconceito contra as religiões, o que, no entendimento deles repórteres, é atribuído erroneamente à presença da matéria na matriz curricular das escolas públicas.

Na verdade o Ensino Religioso de caráter confessional, aberto e plural responde às obrigações constitucionais do Estado e atende as demandas das famílias, que se manifestam, no ato da matrícula de seus filhos, o desejo de que tal matéria seja ofertada de acordo com o respeito inviolável a crença de cada aluno.

Portanto, com o Ensino Religioso não há discriminação! Há, sim, respeito às diferenças e a fé de cada cidadão brasileiro.


Texto do Programa Opinião Católica do dia 27 de maio de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preces da Comunidade

Crítica ao Trabalho das Organizações Não Governamentais - ONGs

Governos: Falta de Planejamento e Visão