Dia dos Pais: Vocação Matrimonial e Familiar

Em meio a tantas confusões sobre os papéis reservados ao homem e a mulher pensei um pouco sobre isto na comemoração dominical reservada ao Dia dos Pais.

Ocorreu-me de saída uma questão importante, porém, bastante desprezada em nosso tempo: o de assumir um real papel de pai com a sua responsabilidade equivalente.

Hoje parece distante e estranho, que um papel como o de ser pai, possa levar ao encontro do que é natural e este encontro possa trazer o real sentido da existência e da vocação do homem. Pois, ser pai não é um ato banal da carne, nem está circunscrito a uma mera capacidade do organismo em procriar.

Nos tempos de hoje afastou-se da condição de ser pai o mais belo: a identidade com o próprio Deus, que nos chamou, por amor, a esta especialíssima vocação de sermos partícipes da criação.

Pensar, apesar de toda a limitação que temos, em Deus como família, Pai, Filho e Espírito Santo, pessoas que vivem em comunhão, nos dá outros ensinamentos. Quero, no entanto, fixar a minha atenção na vocação matrimonial e familiar, que é o caso deste comentário.

A família é dom e compromisso pela pessoa e pela vida, e esperança da humanidade como nos ensinou o Beato João Paulo II por ocasião do II Encontro do Papa com as Famílias no Rio de Janeiro em 1997.

A família é a identidade Cristã construída pelo sacramento do matrimônio em ato de decisão sóbria e de responsabilidade mútua do casal, que se constitui em fundamental unidade e, portanto, aí se consagra a sua indissolubilidade.

Hoje muitos apresentam a indissolubilidade do matrimônio como algo estranho e distante da realidade das pessoas deste tempo. Contudo, o que pode estar mais distante da realidade, da vocação humana de felicidade do que o sofrimento que a relativização das relações gerou? E gerou indistintamente para o homem, para mulher e para seus filhos.

Ao comemorarmos o dia dos pais peçamos ao Senhor origem e fonte de toda a graça, que confirme sempre no amor e na unidade os casais e, que estes, possam ser luz e alegria constantes para seus filhos.

Texto do Programa Opinião Católica do dia 12 de agosto de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preces da Comunidade

Crítica ao Trabalho das Organizações Não Governamentais - ONGs

Governos: Falta de Planejamento e Visão