O Papa Francisco e a Questão das Drogas

O Papa Francisco entre tantos lugares especiais que percorreu nesta Jornada Mundial da Juventude passou por um lugar que ele mesmo designou como “Santuário de Sofrimento Humano”, o Hospital São Francisco de Assis.

Esse hospital localizado no bairro da Tijuca no Rio de Janeiro estava inaugurando, no período da Jornada Mundial da Juventude uma ala para o atendimento e o tratamento de dependentes químicos. Esta ação seria uma de outras tantas que se somaria ao que foi intitulado legado da JMJ 2013.

O Papa com a expressão facial sempre otimista e esperançosa exortou àqueles que ainda não tiveram a coragem de agir como muitos que já buscaram ajuda para tratamento, que o façam, pois encontrarão a mão estendida.

O Papa foi incisivo ao criticar os mercadores, semeadores da dor e da morte, os traficantes. E, opondo-se frontalmente as teses difundidas por autoridades políticas da América Latina, que enxergam na liberação das drogas uma possibilidade de paz no ambiente social, disparou: a raiz do problema do consumo de drogas está no conjunto de valores abraçados pela sociedade. Apontou em nosso ambiente, entre outras, patologias graves como a do egoísmo, a do desinteresse e a da indiferença. E disse, com força ainda maior, que nas pessoas ali assistidas está a “carne de Cristo, que sofre”.

O tema das drogas é uma grande preocupação para as famílias brasileiras. O Estado tem tratado este drama numa perspectiva errada. Não promove um sólido programa de prevenção e, com esta incerteza do governo, correntes pela legalização ganham força na mídia.

A inauguração de uma ala no Hospital São Francisco de Assis para tratamento de dependentes químicos é a mão estendida que o Papa Francisco assinalou, mas a outra mão que sobra deve ser aquela a enfrentar com dureza os mercadores da morte. Não permitindo que a produção e a venda de drogas se constituam num empreendimento comercial como qualquer outro negócio no Brasil.

A sociedade brasileira, que continua nas ruas contra a corrupção e os desmandos dos governos e dos políticos em geral, deve exigir das autoridades públicas, ainda com mandato, uma posição efetiva contra o que o Papa Francisco denominou de “roubo da esperança”.

De fato, as drogas roubam o presente de muitas pessoas e destroem, na mesma medida, a perspectiva de futuro.


Texto do Programa Opinião Católica do dia 30 de julho de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preces da Comunidade

Crítica ao Trabalho das Organizações Não Governamentais - ONGs

Governos: Falta de Planejamento e Visão